17/07/2015

Amber Fort

O Amber Fort está localizado a sensivelmente 10km de Jaipur e é de visita obrigatória para todos aqueles que passam pela cidade rosa. Se a cidade abandonada de Fatehpur Siri é uma obra-prima Indo-Islâmica podemos afiançar que o Amber Fort não se lhe fica nada atrás.
14/07/2015

Jaipur: a Capital Cor-de-Rosa do Rajastão


Fundada pelo Marajá Rajaputa Jai Singh em 1727, um visionário que preparou Jaipur para o futuro na organização urbanística: um palácio dominando o traçado em grelha, avenidas largas, havelis (mansões privadas) luxuosas e mercados dotados de mercadorias em quantidade e qualidade… Tudo planeado e construído em obediência a um princípio de harmonia - harmonia esta que, presentemente, se perde para lá das muralhas do centro histórico duma cidade onde vivem mais de dois milhões de habitantes.
10/07/2015

Fatehpur Sikri

A cidade ancestral de Fatehpur Siri foi mandada construir pelo Imperador Akbar e foi a capital do Império Mogol entre 1571 e 1585. A construção é tida como uma obra-prima Indo-Islâmica mas foi abandonada pouco após ter sido contruída pois a região não tinha água potável suficiente para uma cidade daquela envergadura.
08/07/2015

Tumulo de Akbar

A somente 10km do centro de Agra, em Sikandra, é possível visitar o túmulo do imperador Akabar, o Grande, mais uma das pérolas arquitetónicas do Imperio Mogol. O imenso complexo bem que merece a curta viagem de tuk tuk desde Agra. Acreditamos que depois de verem as fotografias vão concordar connosco!
09/06/2015

Guia de Viagem China

Em 2013 passamos dois meses a calcorrear a gigantesca China. Pequim foi para nós a porta de entrada neste fascinante país e desde logo nos apercebemos que tínhamos um mundo novo por explorar.
Por isso juntamo-nos ao mar de gente, que a todas horas do dia enche as suas principais artérias, e percorremos as suas ruas e ruelas, deixando-nos seduzir pelos seus colossais jardins, pelos exóticos costumes e grandiosos monumentos.
De Pequim rumamos até Datong, na província de Shanxi, para assim podermos visitar as fabulosas Grutas de Yúngāng, um dos maiores tesouros budistas da China com mais de 1500 anos de existência.
De Datong saltamos para a ancestral Pingyao, a cidade muralhada melhor preservada de toda a China. As suas ruelas empedradas, as suas tradicionais casas chinesas com as suas lanternas vermelhas e convidativos pátios, os velhinhos templos budistas, os altivos bastiões e imponentes muralhas levaram-nos a viajar no tempo.
De Pingyao seguimos para oeste até Xian, um destino incontornável para aqueles que querem conhecer a dimensão histórica e cultural da China, as famosas estátuas do Exército de Terracota e a forma como este grandioso país influenciou e foi influenciado pelo Ocidente desde os primórdios da Rota da Seda.
Depois de vários dias a deambular por Xian e arredores fomos até Chengdu, a capital da província de Sichuan, motivados pela oportunidade de conhecer e interagir com os Pandas Gigantes, sem dúvida alguma o maior símbolo da China. Mas se é verdade que foram os Pandas o grande catalisador da nossa vinda a Chengdu, a verdade é que foi a cidade e as suas gentes que nos cativaram e nos fizeram ficar por bem mais do que um par de dias.
Aproveitando que Leshan fica a pouco mais de 150km de Chengdu não perdemos a oportunidade de visitar a maior estátua do Buda de todo o mundo. Foi, até ver, a experiência mais liliputiana das nossas vidas.
De Chengdu voltamos a rumar para oeste, desta feita até Khan, uma das mais antigas províncias tibetanas. Em Khan o chá verde dá lugar ao chá de manteiga, as vacas dão lugar aos iaques, os extensos arrozais às gigantes montanhas, o mandarim ao tibetano, as bandeiras vermelhas aos cavalos de vento, o Comunismo ao Budismo Tibetano. Trouxemos a imensidão do Planalto Tibetano gravada na retina, tatuada na alma.
Das terras altas de Khan prosseguimos viagem pela fascinante província de Yunnan, a região da imensa China que apresenta a maior variedade étnica e uma diversidade paisagística estonteante. É na simbiose destes dois elementos vitais que reside a grande magia desta província. Foi em Yunnan que nos cruzamos com a comunidade matriarcal Naxi em Lijiang, os adoradores do fogo da etnia Yi em Kunming, e com o "povo branco" da comunidade Bai em Dali e toda a região do Lago Erhai.
De Yunnan rumamos até à província de Guangxi onde fizemos um excelente trekking nos impressionantes Terraços de Arroz de Longsheng e onde exploramos a região de Yangshuo, onde o soberbo relevo cársico rompendo da terra nos fez duvidar se ainda estaríamos no planeta terra.
Terminamos o nosso périplo chinês na multicultural Honk Kong e a seguir os passos dos nossos antepassados pelas ruas e ruelas calcetadas de Macau.
Para ficarem a conhecer melhor estes e outros lugares aqui deixamos o índice das crónicas da nossa viagem pela imensa China, ordenadas cronologicamente. Esperemos que gostem e que vos possa servir de inspiração para futuras viagens por este fantástico país do Extremo Oriente.

Guia da China

Pingyao
Pingyao -crónica publicada na revista Visão
Xian
Xian - crónica publicada na revista Visão
Exército de Terracota
Chengdu
Chengdu - Panda Base
Leshan - O Buda Gigante
Kanding
Planalto Tibetano
Planalto Tibetano - crónica publicada na revista Visão
Yunnan - crónica publicada na revista Visão
Lijiang
Shuhe
Baisha (pequena aldeia do Yunnan)
Tiger Leaping Gorge
Guilin
Longsheng - Terraços de Arroz
Yangshuo - descendo o rio Li
Yangshuo - Biking the countryside
Yangshuo - Trekking do Rio Lí
Hong Kong
Macau

Não deixem também de ler o artigo "10 experiências a não perder na China" e os nossos Guias de Viagem ao Sudeste Asiático e à América Latina

Sigam os nosso passos no Facebook e no Google+